Até onde podemos ir?

Por muito que se pretenda, os relacionamentos sociais não podem e não devem transpor certos limites, sob pena de amizades incipientes terminarem de forma abrupta. Vem isto a propósito da utilização que se faz do poder de comentar as mensagens que os utilizadores do Facebook publicam na sua cronologia. Tenho por princípio que os meus amigos “facebookianos” adquiriram o estatuto de amigo porque se estabeleceu entre nós uma relação de confiança, o que faz com que não esperemos que nada de mais desagradável surja escrito perante os nossos olhos e os daqueles que acedem às nossas publicações.

Talvez esteja desatualizada, mas julgo que há formas de os utilizadores poderem trocar mensagens que devem ser privadas, tornando-as acessíveis apenas aos respetivos destinatários. A devassa da vida de cada um, as escaramuças, a troca de galhardetes, em público, fazem-me temer pelo caráter das pessoas envolvidas. E, honestamente, faz-me pensar duas vezes se tenho vontade de manter tais amigos!

Glogster…quê?!

Em férias, cada um sabe de si. E claro, agarra-se mais aos vícios. No caso vertente, os livros, a TV e o computador. Com a dose cavalar de cafeína, o computador, upa, upa, é divertimento noite dentro, até a manhã despontar. E “cusca-se” imensa coisa, umas só mesmo coscuvilhice, outras de pendor educativo, imagine-se! Como esta ferramenta, o Glogster. Aqui vão as impressões de uma “maçarica”.

O que é um glog? É um “poster” interativo. Uma ferramenta on-line gratuita, que permite inserir texto, áudio, imagem (fotografia ou vídeo), apresentação Powerpoint.

Como é que se processa? Simples. Experimentei a vertente educacional, o GlogsterEdu. Efetua-se um registo, acedendo ao Glogster, pelo apontador http://glogster.com

Surge a hiperligação para a parte educacional, ou seja, GlogsterEdu, e somos guiados facilmente durante todo o processo de criação de conta. Uma vez criada a conta, podemos atualizar os nossos dados no painel, tal como o perfil, verificar mensagens e, claro está, começar a criar o glog, que é o objetivo.

E foi aqui que me surpreendi. A facilidade. Vamos a “creat” (sim, porque está tudo em inglês, ou não fosse americano!), abre-se uma página e cá temos o nosso “poster”, pronto a estrear. À esquerda, surgem uma espécie de apontadores, para selecionarmos se queremos inserir texto, imagem, vídeo som, desenhar, ou seja, as diferentes opções que nos são oferecidas. E podemos dispô-las pelo “poster” da forma que acharmos mais divertida, pois a ferramenta permite mover e soltar facilmente elementos multimédia de origem diversa.

Fiquei a saber, porque EU isto não tentei, (é preciso unhas para tocar guitarra!) que podemos ainda fazer hiperligações para outros “glog’s” ou páginas web, fazer upload de ficheiros do nosso computador. Como diria a menina do anúncio «há coisas fantásticas, não há?!»